A meia noite dos tambores silênciosos- lenine


O baque do maracatu estanca no ar
Das lâmpadas apaga-se a luz branca no ar
Na sombra donde somem cor e som, somos um
Ao rés do chão, aos pés de Olorum

Um lume no negrume vaga dentro de nós
Um choro insonoro alaga o centro de nós
Com fé ou não no axé, no São José, todos são
Um nó, e tudo é só comoção

Largo do Terço
Quão largo, profundo
Bendito é o teu rito
que eu verso

Em mantras, cantos brandos já ecoam no ar
Em bando, pombas brancas já revoam no ar
No chão, na vibração de nossas mãos, somos um
Irmãos na evocação aos eguns

Largo do terço
Quão largo, profundo
Bendito é o teu rito que eu verso
A meia noite dos tambores silênciosos- lenine
Article Number: 8424
Read. 109 Time.
Rate this article.
Thank you for your vote.

This article was written by:

Erlan Farinelli

Contact Me.

  • Email
  • Email
View More. Close.

article.Autor.author_review

Other articles written by this Author.