Antigo Egito A Literatura

A literatura do Antigo Egito refere-se ao conjunto de escritos em língua egípcia durante o período faraônico do Antigo Egito até o fim da dominação romana. Representa a mais antiga coletânea da literatura egípcia. Junto com a literatura suméria, é considerada a mais antiga literatura do mundo.[1]

A escrita no Antigo Egito — hieroglífica e hierática — apareceu pela primeira vez no final do quarto milênio a.C., durante a fase final do Egito pré-dinástico. Até o Império Antigo (século XXVI ao XXII a.C.), obras literárias incluíam textos funerários, epístolas e cartas, hinos, poemas e textos autobiográficos comemorativos recontando as carreiras dos funcionários administrativos de destaque. Não foi até o início do Império Médio (século XXI ao XVII a.C.) que uma literatura egípcia narrativa foi criada. Esta foi uma "revolução dos meios de comunicação", que, de acordo com Richard B. Parkinson, resultou-se da ascensão da classe intelectual dos escribas, novas sensibilidades culturais sobre individualidade, níveis sem precedentes de alfabetização e o acesso regular a materiais escritos.[2] Entretanto, acredita-se que a taxa de alfabetização fosse menor do que um por cento de toda a população. A criação da literatura foi, assim, uma prática da elite, monopolizada por uma classe de escribas ligados a ofícios do governo e da corte real do faraó no poder. No entanto, não há consenso total entre os estudiosos modernos sobre a dependência da literatura egípcia antiga na ordem sociopolítica das cortes reais.

O Egípcio médio, a língua falada do Império Médio, tornou-se uma língua clássica durante o Império Novo (século XVI ao XI a.C.), quando o idioma vernáculo conhecido como egípcio tardio apareceu por escrito. Escribas do Império Novo canonizaram e copiaram muitos textos literários escritos em egípcio médio, que se manteve como linguagem usada para leituras orais de textos de hieróglifos sagrados. Alguns gêneros de literatura do Império Médio, como "ensinamentos" e contos de ficção, permaneceram populares no Império Novo, embora o gênero de textos proféticos não foi revivido até o período Ptolemaico (século IV ao I a.C.). Contos populares incluíam as Aventuras de Sinué e O Camponês Eloquente, enquanto textos importantes de ensino incluíam as Instruções de Amenemés e o Ensino Lealista. No período do Império Novo, a escrita de grafite comemorativo em paredes sagradas dos templos e túmulos floresceu como um gênero original da literatura, ainda empregando frases estereotipadas semelhantes a outros gêneros. O reconhecimento da autoria legítima permaneceu importante somente em alguns gêneros, enquanto que os textos do gênero "ensino" eram pseudônimos e falsamente atribuídos a proeminentes figuras históricas.

A literatura egípcia antiga foi preservada em uma ampla variedade de meios de comunicação. Isto inclui rolos de papiro e maços, calcário ou cerâmica de óstraco, placas de escrita de madeira, edifícios monumentais de pedra e sarcófagos. Textos preservados e desenterrados por arqueólogos modernos representam uma pequena fração do material literário egípcio antigo. A área da planície de inundação do Nilo está sub-representada, pois o ambiente úmido é inadequado para a preservação dos papiros e inscrições de tinta. Por outro lado, esconderijos escondidos dos textos literários, enterrados por milhares de anos, foram descobertos em assentamentos nas margens secas dos desertos da civilização egípcia.

Antigo Egito A Literatura
Article Number: 20356
Read. 151 Time.
Rate this article.
Thank you for your vote.

This article was written by:

Rogerleks Frasson

Contact Me.

  • Email
View More. Close.

article.Autor.author_review

Other articles written by this Author.