Concílio Vaticano II

O Concílio Vaticano II  ( CVII ), XXI Concílio Ecumênico da Igreja Católica, foi convocado no dia 25 de Dezembro de 1961, através da bula papal " Humanae salutis ", pelo Papa João XXIII. Este mesmo Papa inaugurou-o, a ritmo extraordinário, no dia 11 de outubro de 1962. O Concílio, realizado em 4 final, só terminou no dia 8 de dezembro de 1965, já sob o papado de Paulo VI. [1] [3] [4]

Nestas quatro sessões, mais de 2.000 Prelados convocados de todo o planeta discutiram e regulamentaram vários temas da Igreja Católica. As suas decisões estão expressas nas 4 constituições, 9 decretos e 3 declarações elaboradas e aprovadas pelo Concílio. [1] Apesar da sua boa tentativa em tentar atualizar a Igreja, os resultados deste Concílio, para alguns estudiosos, ainda não foram totalmente entendidos nos dias de hoje, enfrentando por isso vários problemas que perduram. Para muitos estudiosos, é esperado que os jovens teólogos dessa época, que participaram do Concílio, salvaguardem a sua natureza; depois de João XXIII, todos os Papas que o sucederam até Bento XVI, inclusive, participaram do Concílio ou como Padres conciliares (ou prelados) ou como consultores teológicos (ou peritos). [3] [4]

Em 1995, o Papa João Paulo II classificou o Concílio Vaticano II como " um momento de reflexão global da Igreja sobre si mesma e sobre as suas relações com o mundo ". Ele acrescentou também que esta " reflexão global " impelia a Igreja " a uma fidelidade cada vez maior ao seu Senhor. Mas o impulso também das grandes mudanças do mundo contemporâneo, que, como“ sinais dos tempos ”, exigiam ser decifradas à luz da Palavra de Deus ". [5]

No ano 2000, João Paulo II disse ainda que: " o Concílio Vaticano II constituiu uma dádiva do Espírito à sua Igreja. É por este motivo que permanece como um evento fundamental não só para compreender a história da Igreja no fim do século mas também, e sobretudo, para verificar a presença permanente do Ressuscitado ao lado da sua Esposa no meio das vicissitudes do mundo. Mediante a Assembleia conciliar, [...] pôde-se constatar que o patrimônio de dois mil anos de fé se conservou na sua originalidade autêntica ". [6]

Todos os concílios católicos são nomeados segundo o local onde se deu o concílio episcopal. A numeração indica a quantidade de concílios que deram em tal localidade. Vaticano II  portanto, indica que o concílio ocorreu na cidade-Estado do Vaticano, e o número dois indica que foi o segundo concílio realizado nesta localidade.

Os concílios, que são reuniões de dignidades eclesiásticas e de teólogos, são um esforço comum da Igreja, ou parte da Igreja, para sua própria preservação e defesa, ou guarda e clareza da Fé e da doutrina. No caso do Concílio Vaticano II, a necessidade de defesa se fez de modo universal, porque as  hipóteses contemporâneas  de proporções globais abalaram a Igreja. Isto fez com que autoridade universal da Igreja, na pessoa do Papa, se encontrasse persuadida a convocar um concílio universal ou ecumênico. A força do concílio não reside nos bispos ou em outros eclesiásticos, mas sim no Papa, como pastor universal que declara também como sendo das Verdades reveladas (e, por isso, implica a obediência própria dos católicos). Fora disso, o Concílio tem apenas poder sinodal. Porém, quando o concílio está em comunhão com o Papa, e se o Papa falasse solenemente ( ex cathedra ) de matérias relacionadas com a fé e a moral, o episcopado plenamente reunido torna-se também infalível.

Concílio Vaticano II

Da Revolução Francesa ao início do século XX, passando por todo o século XIX, a Igreja Católica foi sendo " perseguida, difamada, dessacralizada e desacreditada " pelos liberais, pelos comunistas e socialistas e pelos radicais ateus. A Igreja, Por Outro Lado, vendo tudo ISSO Acontecer, condenou POR ISSO como Novas Correntes Filosóficas agnósticas e subjetivistas, Que estao Associados  à heresia modernista . Esta heresia foi fortemente condenada pelos papas Gregório XVI (1831-1846), Pio IX (1846-1878) e São Pio X (1903-1914). Esta atitude foi também o espírito do Concílio Vaticano I (1869-70), que definiu o dogma da infalibilidade papal. [1]

Por outro lado, floresceram também na Igreja de adaptação ao mundo moderno, através, como por exemplo, da " atitude de vários leigos católicos no campo político e social " (destaca-se Frédéric Antoine Ozanam, fundador da Sociedade de São Vicente de Paulo) ; da publicação da encíclica  Rerum Novarum  (1890) pelo Papa Leão XIII (1878-1903), que defendia os direitos dos trabalhadores; da criação da Acção Católica (1922) pelo Papa Pio XI (1922-1939); e da perda gradual da popularidade da Escolástica e do aparecimento do aparecimento da Nouvelle Theologie  (que é diferente do modernismo). Este movimento teológico do início do século XX, que é apoiado por alguns setores eclesiásticos, defendia principalmente "a valorização da leitura das Sagradas Escrituras "(que foi também um dos temas da encíclica Divino afflante Spiritu  do Papa Pio XII) e uma" volta às fontes ", através do estudo da Bíblia e das obras patrísticas. Os defensores mais ilustres da Nouvelle Theologie  foram os progressistas Karl Rahner, John Courtney Murray, Yves Congar, Joseph Ratzinger e Henri de Lubac. Teilhard de Chardin e Jacques Maritain também defendem uma maior abertura da Igreja


Article Number: 17574
Read. 399 Time.
Rate this article.
Thank you for your vote.

This article was written by:

Warley Soares

Contact Me.

  • Email
View More. Close.

article.Autor.author_review

Other articles written by this Author.