Grande Otelo

Grande Otelo, pseudônimo de Sebastião Bernardes de Souza Prata (Uberlândia, 18 de outubro de 1915 — Paris, 26 de novembro de 1993) foi um ator, comediante, cantor, produtor e compositor brasileiro. Grande artista de cassinos cariocas e do chamado teatro de revista, participou de diversos filmes brasileiros de sucesso, entre eles, as famosas chanchadas nas décadas de 1940 e 1950, que estrelou em parceria com o cômico Oscarito, e a versão cinematográfica de Macunaíma, realizada em 1969. É frequentemente citado com um dos mais importantes atores da história do Brasil.[1]
Grande Otelo

Biografia

Sua vida teve várias tragédias. Seu pai morreu esfaqueado e a mãe era alcoólatra. Quando já era um ator consagrado, sua mulher cometeu suicídio logo após matar com veneno seu filho de seis anos de idade, que era enteado do ator.[2]

Grande Otelo vivia em Uberlândia quando conheceu uma companhia de teatro mambembe e fugiu com eles, com o consentimento da diretora do grupo, Abigail Parecis, que o levou para São Paulo. Ele voltou a fugir e acabou no Juizado de Menores, até ser adotado pela família do político Antonio de Queiroz. Otelo estudou então no Liceu Coração de Jesus, até a terceira série ginasial.

Participou na década de 1920, da Companhia Negra de Revistas, que tinha Pixinguinha como maestro.[3]

Foi em 1932 que entrou para a Companhia Jardel Jércolis, um dos pioneiros do teatro de revista. Nesta época ganhou o apelido de Grande Otelo, que adotou como nome artístico. Em 1942 participou do filme It's All True, de Orson Welles. O intérprete e diretor norte-americano considerava Grande Otelo o maior ator brasileiro.[4]

Fez inúmeras parcerias no cinema, sendo a mais conhecida com Oscarito. Depois os produtores formariam uma nova dupla dele com o cômico paulista Ankito.[5] No final dos anos 50, Grande Otelo formou dupla em vários espetáculos musicais e também no cinema, com Vera Regina, uma negra alta que lembrava a famosa dançarina americana naturalizada francesa Josephine Baker. Com o fim da parceria, Otelo passou por um período de crise, até voltar ao sucesso no cinema com sua grande atuação como o personagem título de Macunaíma (1969), baseado na obra de Mário de Andrade. Em 1974, estrelou ao lado de Miriam Batucada o exitoso espetáculo Samba, coisa e tal, produzido por Haroldo Costa. Participou também do filme de Werner Herzog, Fitzcarraldo, de 1982, filmado na floresta amazônica.

A partir dos anos 1960, Otelo passou a ser contratado da TV Globo, emissora na qual atuou em diversas telenovelas de grande sucesso, como Uma Rosa com Amor. Também participou do humorístico Escolinha do Professor Raimundo, no início dos anos 1990. Seu último trabalho foi na telenovela Renascer, pouco antes de morrer.

Article Number: 26430
Read. 194 Time.
Rate this article.
Thank you for your vote.

This article was written by:

Camila Delfino

Contact Me.

  • Email
View More. Close.

article.Autor.author_review

Other articles written by this Author.