História do funk no Brasil

O funk nem sempre foi como conhecemos hoje em dia. Inicialmente derivado da soul music – gênero musical inspirado no Rhythm and blues e no gospel dos EUA, entre o fim dos anos 1950 e início dos anos 1960, especialmente entre os negros – o gênero, com o passar dos anos, sofreu diversas transformações.

Trazido para o Brasil no final dos anos 1970, os primeiros bailes funks eram realizados na Zona Sul do Rio de Janeiro (área nobre da cidade). Apenas com o crescimento da MPB e do uso do “Canecão” – local onde os bailes aconteciam – para shows desse gênero que os “Bailes da Pesada” começaram a adentrar o subúrbio. Esses encontros aconteciam semanalmente, mas em clubes diferentes, como descritos na obra “DJ Malboro no funk”, de Suzana Macedo. No final dessa mesma década, com a imprensadescobrindo o funk, ele começa a se espalhar por todo o país. Trata-se da popularização de um movimento que, até então, era produzido na periferia e para a periferia.
Já nos anos 1980, a ideia que dominava o funk no Brasil era o Miami bass. Gênero similar ao eletro e que possui batidas comandadas pelo DJ, porém, com letras em inglês. Como podemos perceber, o funk em nosso país ainda era predominantemente estadunidense. Mas como ele se tornou o que conhecemos?
Fernando Luís Mattos da Matta, conhecido como DJ Marlboro, foi o principal responsável por fazer o gênero se tornar o que é hoje. Ele quem introduziu a bateria eletrônica no gênero musical, recurso esse que perdura até os dias atuais.
No final da década de 1980, o DJ lança seu primeiro disco, intitulado “Funk Brasil”. Dali em diante, a maioria das produções no país eram inteiramente nacionais, desde a batida até as letras. Foi a chamada fase de consolidação do funk.

Anos 2000

Na troca de milênio, o funk também passou por mudanças. Não somente em seu lugar de origem (periferia), agora ele toma conta das casas noturnas, academias e tantos outros lugares frequentados, em sua maioria, pela classe média. Nessa mesma época os “bondes” começavam a fazer sucesso, como, por exemplo, o Bonde do Tigrão. Apesar de não ter sido criado nos anos 2000, essa foi a época em que o grupo alavancou, chegando a conquistar, em 2001, seu disco de platina pela Pró-Música Brasil.
Em seguida, as mulheres também entraram no gênero. Tati Quebra-Barraco, como é conhecida a MC, foi uma das precursoras do funk cantado por mulheres. Seus principais sucessos da época são “Boladona” e “Sou feia, mas tô na moda”. As letras de suas músicas falam de sexo, empoderamento e liberdade.

Funk como produto cultural

Atualmente, o funk movimenta milhões na indústria da música. O principal canal do YouTube brasileiro – com mais de 36 milhões de inscritos –, por exemplo, é o Canal Kondzilla, da Kondzilla Filmes, produtora de clipes que são, em sua maioria, de funk. Não sendo coincidência, o clipe brasileiro mais acessado da plataforma também é do mesmo canal. Prestes a atingir um bilhão de visualizações, “Bum bum tam tam”, de MC Fioti, mistura a música erudita de Partita de la menor, de Johann Sebastian Bach, com a batida do funk.

Não é raro vermos pessoas que em um dia estão cantando na internet e, na semana seguinte, já participam de programas de TV, registram suas músicas em gravadoras profissionais e afins. Quando esse tipo de situação acontece, as próprias produtoras buscam trazer essas novas celebridades para seu meio. Contudo, para ter uma aderência maior, esse “produto” (música + cantor) passa por algumas alterações. Desde a letra e batida da música como a própria figura do cantor (tratamentos estéticos, troca de vestuário…). O funk, assim como tantos outros gêneros musicais, busca sempre trazer novidades e se manter atrativo.
Um exemplo de funk como produto cultural é a cantora MC Loma. Garota jovem, da periferia, que publica seu vídeoclipe nas redes sociais sem imaginar que, em pouco tempo, seria dona de um dos funks mais tocados no país. Após seu vídeo original atingir grande sucesso na internet, a produtora Kondzilla a convidou para uma regravação do hit.

História do funk no Brasil
Article Number: 12572
Read. 267 Time.
Rate this article.
Thank you for your vote.

This article was written by:

Isabella de Paula Marques Belinha

Contact Me.

  • Email
View More. Close.

article.Autor.author_review

Other articles written by this Author.